Redesign 2013 | Top Four

21 de May de 2013
IMG_6381

Na última semana estive no Redesign 2013, o maior evento de Design de Varejo da América Latina, acompanhando as principais tendências do retail e os grandes cases nacionais e internacionais.

Foram dois dias de muitas referências, muita coisa interessante, difícil de compartilhar em um único post. Por isso, aguarde muita novidade sendo compartilhada por aqui sobre o assunto. ;)

Para começar, vou fazer um breve panorama dos quatro principais pontos abordados e debatidos por praticamente todos os palestrantes.

1. Experiência: não se trata mais de comprar e vender, mas, sim, de gerar experiência.

Não é nenhuma novidade, afinal os donos de lojas estão enfrentando uma concorrência cada vez mais acirrada com o comércio eletrônico. Se é para ter um ponto físico, que ele vá além das compras, que gere uma experiência para o cliente. Esse foi o ponto unânime de todos os palestrantes, porém cada um trazendo um ponto relevante da experiência.

– Experiência criando contexto: existe uma diferença entre criar um espaço (space) e criar um lugar (place). Segundo David Kepron, da Retail (r) Evolution, quando você cria um lugar  você está criando um contexto para o cliente durante as compras. Para a diferença ficar clara, ele ilustra explicando “Um armário é o espaço onde eu guardo um sapato, mas a mesa de jantar é o lugar onde estão as lembranças de todos os Thanksgivings (jantar de ação de graças)”.

– Experiência se aproximando da vida do cliente: se celulares hoje são utilizados até no banheiro, por quê manter uma loja com foco em tecnologia e fria? A Oi apresentou sua loja-conceito (no Rio de Janeiro e em São Paulo) mostrando um ambiente mais próximo da sala de estar, com painéis touchscreen por toda a loja, permitindo o cliente escolher onde quer ser atendido, e com foco nos serviços que o celular+operadora podem oferecer para facilitar a vida do cliente – ao invés do antigo foco nos aparelhos.

oi

2. Storytelling: sell the history, then the product. Essa foi uma das frases mais repetidas. Contar histórias, criar cenários para envolver o cliente. Transformar o processo de compra em algo divertido e experimental. Mas fica um ponto de reflexão de que não adianta criar ambientes encantadores, que envolvam o cliente, contem histórias, se o processo não se converter em venda. Contar histórias sim, mas com final feliz para o cliente e para o lojista.

3. Millennials: a nova geração foi pauta de muitos palestrantes internacionais. Para eles, quem quer construir o varejo alinhado com as tendências de consumo, deve criar uma loja focada para atender essa nova geração. E principalmente, as jovens desta nova geração, pois o poder de decisão de compra delas será muito grande nos próximos anos. As dicas para atender esta geração: customização dos produtos, precificação personalizada de acordo com o poder de influência nas redes sociais (ex. Facedeals), e apostar nas impressoras 3D.

4. Tecnologia: o varejo do futuro tem que ser tecnológico. E a tecnologia deve estar presente para entregar todos os pontos anteriores – contar a história, gerar contexto, gerar uma experiência mais próxima da vida do cliente – além de facilitar o processo de compra e agregar valor ao cliente, principalmente através da informação. A tecnologia amigável e intuitiva será o grande diferencial que levará as pessoas ao ponto de venda e fará a convergência entre a venda on line e a venda off line. Um dos grandes cases apresentados ilustrando o bom uso da tecnologia foi o caso da Mistral Vinhos. Uma importadora de vinhos online que optou por criar uma galeria de vinhos, projeto do Studio Arthur Casas. Arquitetura, design e tecnologia se convergem para gerar uma experiência única para o cliente da Mistral na loja inaugurada no shopping JK, em São Paulo.

Nenhum destes pontos é uma grande novidade e já havia surgido em um ou outro momento antes. Mas ver durante dois dias, grandes nomes do varejo brasileiro e do mundo, reforçando a mensagem e trazendo ótimos exemplos de como esses pontos já estão sendo colocados em prática por muitas empresas mundo a fora, nos faz ver que o futuro do varejo já está aí e que não há tempo a perder. O jeito dos “Jetsons” de fazer compras já começou, só está faltando mais varejistas brasileiros despertarem para todos esses pontos e colocarem em prática.

 

Comentários

REDESIGN | Design de Varejo

13 de May de 2013
banner_rotativo2

Com o consumidor migrando suas compras para o ambiente on line, está cada vez mais claro o desafio do varejo em transformar suas lojas físicas em verdadeiras experiências para o cliente, indo além do consumo. Nesta equação entram o entretenimento, a educação, a informação e a conveniência, transformando os pontos de venda em locais de convívio dos consumidores com a marca.

Para entregar esta experiência completa é preciso estar conectado com as últimas tendências de consumo, comportamento, arquitetura, design, e tecnologia. E com o intuito de expor e debater estas tendências, acontece nos dias 16 e 17 de Maio, em São Paulo, a segunda edição do maior evento de Design de Varejo da América Latina, o Redesign.

Uma iniciativa da consultoria GS&MD – Gouvêa de Souza, em parceria com a BYSide Eventos, e curadoria de Manoel Alves Lima, o Redesign é o terceiro maior evento de design de lojas no mundo, ficando apenas atrás do GlobalShop, que acontece nos EUA, e do EuroShop, na Europa. A edição deste ano conta com seis palestrantes internacionais, especialistas em design para varejo: David Kepron, Ken Nisch, Robert Hocking, Alison Medina, Angela Rumsey e Steve Collins.

 

banner_rotativo3

 

Serão dois dias de palestras, debates e exposições de cases de sucesso mostrando como inovar e se destacar no varejo. Entre os cases, executivos da Riachuelo, da Oi e da Chilli Beans apresentarão as estratégias adotadas por suas empresas para atrair o consumidor.

Conteúdos como o painel “Saia Justa do Varejo”, onde mulheres contemporâneas irão debater o que as atrai em uma loja; e a palestra sobre o poder transformador do design, do genial Marcelo Rosenbaum, trarão insights sobre comportamento e tendências de design que deverão servir de guia para quem quiser se manter na liderança do jogo do varejo nos próximos anos.

Ainda dá tempo de se inscrever e aproveitar todo este conteúdo.

#ficadica para estudantes: meia entrada!!! ;)

 

Redesign 2013
Quando | 16 e 17/05   das  8h30 às 18h
Local | Rua Doutor Plínio Barreto, 285 , São Paulo
Inscrições | R$ 1.480,00 (desc. 50% para estudante)
Informações | http://www.eventoredesign.com.br   ou  (11) 3405-6679

 

Comentários

Supermercado oferece descontos customizados para cada consumidor

23 de August de 2012
IMG_1671-1000x750

Segundo Wikipédia, “Lei da Oferta e da Demanda, é a lei que estabelece a relação entre a demanda de um produto – isto é, a procura – e a quantidade que é oferecida, a oferta. A partir dela, é possível descrever o comportamento preponderante dos consumidores na aquisição de bens e serviços em determinados períodos, em função de quantidades e preços. Nos períodos em que a oferta de um determinado produto excede muito à procura, seu preço tende a cair. Já em períodos nos quais a demanda passa a superar a oferta, a tendência é o aumento do preço.”

Essa regrinha básica tem sido o principal pilar da economia mundial (desde que o mundo é mundo). E apesar de existirem fórmulas que calculem o preço ideal a ser cobrado pelo produto/serviço, todas as empresas estão sempre buscando melhorar sua gestão de preço incluindo novas variáveis relacionadas ao comportamento de compra dos consumidores.

Um supermercado norte americano, chamado Kroger, começou a testar em suas lojas um novo modelo de precificação que oferece preços individualizados conforme os hábitos de consumos de cada cliente.

O conceito já funcionava através de cupons de descontos em compras feitas pela internet desde meados de 2011, mas agora a idéia foi trazida para o “mundo real”. Usando os dados obtidos através do cartão de fidelidade, o supermercado consegue oferecer descontos personalizados para produtos que o consumidor não tem o costume de comprar, ou inclusive oferecer brindes, recompensas ou até mesmo preços especiais, se o consumidor é fiel à um produto.

Todos os benefícios são automaticamente adicionados ao cartão de fidelidade de cada usuário e aplicados à conta final no check-out do supermercado. Os consumidores podem acompanhar os preços e descontos dos produtos pela internet (ao fazer seu login no site) ou receber as ofertas por email.

Para viabilizar tudo isso, eles estão trabalhando em parceria com uma empresa chamada dunnhumbyUSA.

Segundo fontes do blog Springwise, o supermercado Safeway também deve implementar um modelo semelhante nos próximos meses. Então vamos ficar de olho, porque isso pode ser uma forte tendência para os comércios nos próximos anos.

Comentários

IKEA Apresenta a menor loja do mundo

19 de April de 2012
ikea!!

 

A IKEA era reconhecida por ter a maior loja do mundo (localizada em Estocolmo), mas agora lança um vídeo divulgando exatamente o contrário:  é também a menor loja do mundo.

Assista o vídeo e conheça a solução inovadora que eles encontraram para disponibilizar mais de 2500 produtos em um espaço de um banner:

 

Comentários

Pão de Açúcar anuncia sistema de pagamentos de compra via celular

18 de April de 2012
Tesco-QR-Coode

A partir de maio, a rede de supermercados Pão de Açúcar colocará em teste um sistema de pagamentos de compra via celular. O sistema é uma parceira com o Banco Itaú Unibanco e, portanto, em um primeiro momento, apenas clientes Itaucard terão acesso ao serviço.

Os clientes poderão fazer as compras no próprio supermercado ou até mesmo remotamente autorizando outra pessoa a comprar em seu lugar. Por enquanto só alguns pontos vão receber essa novidade, mas se der certo, todas as lojas vão receber a nova tecnologia.

Inspirados na ação feita pela Homeplay, marca da Tesco para a Coreia do Sul, vencedora do prêmio em Cannes de 2011, o grupo Pão de Açúcar também anunciou o estudo sobre a instalação de vitrines virtuais em locais públicos de grande circulação.

Assista o vídeo da ação da Homeplay para entender como funciona:

As compras são realizadas por qualquer pessoa que tenha um smartphone e entregues em casa, sem que ela precise ir até o supermercado.

Comentários

Entendendo o comportamento do consumidor com Kinect

9 de January de 2012

 

Esse vídeo mostra uma nova ferramenta de pesquisa chamada Shopperception, que analisa o comportamento do consumidor e a forma como ele interage nas prateleiras e gôndolas de uma determinada loja, através do Kinect.

Com o reconhecimento espacial dos sensores, os compradores são monitorados quando interagem com os produtos em exposição. Assim é possível medir e analisar quanto tempo eles gastam escolhendo o produto, para onde eles olham, quais produtos tocam, quais produtos eles seguram na mão, como interagem com o produto (já repararam que ao pegar uma caixa de pasta de dente na mão no supermercado, todo mundo sacode a caixa?), e assim vai…

Dessa forma além de ser uma ótima ferramenta para o processo de imersão, ainda é possível comparar a performance de diferentes disposições nas gôndolas para precificar com mais assertividade o espaço à venda.

Hoje, quem oferece esse serviço é a Agile Route, vale dar uma zapeada no site deles.

 

Comentários

Follow Us!

Realização:

Parceria

Biblioteca