Julien Fourgeaud | Angry… campuseiros!

10 de February de 2012

E no penúltimo dia (buááá) de Campus Party, o clima esquentou durante uma das palestras mais aguardadas pelos nerds/geeks de plantão.

Julien Fourgeaud é Product Manager & Business Development da empresa Rovio. Ah, não conhece? E Angry Birds? Pois é, o jogo é o maior sucesso da empresa. A repercussão do aplicativo em 2010 foi tão grande que o caso é estudado como especial por tornar um produto de tecnologia (um jogo) em um ícone da cultura pop. Parece exagero, mas hoje a Rovio lucra tanto com a venda de produtos licenciados (canecas, pelúcias, camisetas, etc.) quanto com o download do app do game. É um verdadeiro portfólio offline do game.

É inegável o sucesso desse game entre pessoas de todas as idades! Até o indiano Sugata Mitra, que palestrou na terça-feira, fala dentro da sua tese de educação tecnológica que o jogo poderia substituir um MBA. E é por todo esse sucesso que esta era uma das palestras mais aguardadas, e também foi por isso que os campuseiros aproveitaram o momento desta palestra para protestar contra a onda de roubos na CPBR5, interrompendo a palestra.

Dando um show de civilidade, Julien chamou a atenção dos campuseiros que estavam protestando para lembrar o fato de que o Campus Party é um evento de uma comunidade e que, como uma comunidade, todos deveriam se ajudar e que violência não resolve as coisas. O cara até sugeriu um crowdfunding e começou a vaquinha com os R$ 20 que tinha no bolso para ajudar quem teve seus pertences roubados. =)

Este ato de Julien já dava o tom do que seria o resto da palestra de um cara que se mostrou extremamente simples, palestrando de chinelo, e falando abertamente das barreiras que qualquer empreendedor vai enfrentar para alcançar o sucesso em seu projeto.

Para aqueles que estavam esperando ouvir mais sobre tecnologia e sobre jogos, a palestra com certeza deixou a desejar. Mas é impossível que alguém que tenha assistido à palestra termine sem aquela sensação de “vou levar esse aprendizado pra vida toda!”.

Que aprendizado?! Coisas da vida… coisas de carreira… coisas de empreendedorismo… Pra resumir alguns dos pontos que ele abordou trouxemos algumas frases e dicas, ditas durante a palestra:

– O maior obstáculo da sua carreira é você mesmo, pois só você mesmo pode te impedir de fazer algo;

– “Niklas Hed (fundador da Rovio) era um estudante quando abriu a empresa, pois gostava de programar, mas teve sucesso porque também soube vender seus produtos. Na vida, precisamos desenvolver habilidades que nos deem prazer, mas também aprender sobre coisas das quais não gostamos tanto” – falando sobre o fato de que temos que saber fazer coisas que não gostamos também;

– “Experimente, viaje, curta o caminho enquanto não chega em seu destino, se aprimore, celebre o sucesso”;

–  “valorize seus amigos e parceiros”, foi com essa frase que ele se despediu do palco.

Mais do que as frases (confesso que achei meio prontas, açucaradas e de auto-ajuda rs) o que encantou em Julien foi a postura. Tanto lidando com os manifestantes, quanto mostrando que apesar de ser um cara focado em um negócio de sucesso, ele também arruma tempo para atividades que gosta, como, por exemplo, ser DJ!

Outra atitude que cativou a platéia foi o caso das “camadas”. Ele chegou no palco ‘recheado’ de camisetas. (obs: quem passou esses dias campuseando, sabe bem que colocar mais do que uma camada de roupa já é um sacrifício com aquele calorzinho, imagine várias). O que ele fez foi tuitar dias antes, dizendo que vestiria a camiseta das empresas/grupos que enviassem uma para ele. E foi o que ele fez. Durante a palestra ele foi tirando as camadas e mostrando as camisetas. Pra que tudo isso?! Ele explica:  “dar oportunidade para essas marcas/comunidades  estarem no palco e aparecerem pras pessoas”.

Taí um cara de palavras doces e atitudes fofas! Nem parece que a empresa onde trabalha é responsável por um jogo onde pássaros zangados são arremessados contra porcos verdes com risadinhas sádicas! =P

Comentários

Sugata Mitra | Educação e Tecnologia

7 de February de 2012

Como esta semana (quase) não se fala em outra coisa no mundo internético que não sobre a quinta edição da Campus Party Brasil #CPBR5, resolvemos fazer uma semana especial.

Durante toda a semana estaremos “campusando” e acompanhando os assuntos que atrairão maior público e que ainda não ouvimos muito disso por aqui… logo, traremos pra cá post dos assuntos quentes, inteligentes e com um grande potencial de tendência com alto impacto nos próximos anos para a sua vida.

E pra abrir a semana com estilo, vamos falar de Sugata Mitra. Quem? “Aaaah… se é indiano vai falar sobre mercados emergentes e pobreza”. Não (exatamente). Os estudos que o pesquisador indiano vêm desenvolvendo ao longo dos anos estão focando em algo em que a Índia também tem se mostrado referência: tecnologia. E para ser mais específico, ele resolveu aprofundar no quanto a tecnologia consegue auxiliar o processo de educação e, indo além, o quanto a tecnologia tem afetado o modelo atual de educação e o papel do professor em tudo isso.

Durante a palestra no CPBR5, o Professor da Universidade de Newcastle e docente visitante do Massachusetts Institute of Technology (MIT), falou sobre seu experimento chamado de Hole-in-the-Wall. Neste experimento, o pesquisador colocou computadores em buracos feitos em paredes de um pequeno vilarejo indiano, na altura das crianças para que elas pudessem interagir com os equipamentos misteriosos para elas, e foi embora. Ao voltar depois de 3 meses, para sua surpresa, as crianças estavam dominando o uso dos computadores, jogando vários games, e ele foi abordado por elas reclamando que precisavam de um ‘processador mais rápido e um mouse melhor’ para os jogos. Quando o Sumata perguntou às crianças como elas haviam chegado à essa conclusão, a resposta para elas era simples: elas aprenderam inglês pelo computador sozinhas, para poder pesquisar e aprimorar o uso da máquina.

Outros estudos como este tornaram Mitra em um dos maiores especialistas do mundo em tecnologia educacional, e levaram o professor à  algumas conclusões que foram compartilhadas hoje no CPBR5:

– “Os professores precisam ser capazes de dizer algo que não estão acostumados a dizer: eu não sei, mas vamos descobrir. E eu garanto que um grupo de vinte crianças é capaz de descobrir em duas horas como desenvolver um aplicativo para Android”;

– “O professor deveria ser um mediador e não um ensinador”;

– A fórmula para o sucesso no ensino é um computador na mão e uma boa pergunta na cabeça;

– ‘Professores deveriam ser substituídos por computadores com acesso a web’;

– Crianças aprendem sozinhas quando estimuladas e com ferramentas.

A palestra foi a mais disputada ao longo do dia, e com as perguntas mais instigantes já que na platéia estavam muitos professores que ouviram deste incrível pensador que “professores deveriam ser substituídos por máquinas”. Durante a palestra o nome do professor foi parar nos Trend Topics do Twitter (aliás, se quiser seguir o professor, @Sugatam).

Nós curtimos muito! E você?! Concorda com essa nova era de educação?!

Comentários

Follow Us!

Realização:

Parceria

Biblioteca