Happify. Inovando pela felicidade.

por Paula Falco
20 de December de 2013
1486277_10152200716207176_871580726_o

Pra quem ainda não conhece, prazer, Happify. :)

Uma nova ferramenta que mede seu nível de felicidade de uma forma bem diferente.

Desenvolvida por cientistas e designers de games, que traduziram sua últimas pesquisas em atividades e jogos, que ajudam construir a ideia de felicidade e a formar hábitos interativos para uma mudança de vida. Happify funciona com a plataforma S.T.A.G.ETM – Savor, Thank, Aspire, Give e Emphatize – traduzindo: otimismo, autoconfiança, gratidão, esperança, compaixão e empatia.

Ao entrar no site é só preencher um questionário rapidinho sobre sua opinião de como você se relaciona com a felicidade em vários cenários e a partir daí começa o processo de desenvolvimento pessoal.

 

1470519_10152200716222176_881156366_n

1488347_10152200716212176_299776158_n

992259_10152200716217176_298831158_n

Entenda como a felicidade pode alterar seu futuro e seu rendimento (em everything).

Savor: Otimismo (ou… apreciar, saborear algo ao máximo).

Apreciar algo ao máximo é um ótimo jeito de aumentar o otimismo, reduzir o estresse e emoções negativas. É a prática de perceber as coisas boas ao seu redor e tomar o tempo extra para prolongar e desfrutar da experiência, fazendo durar o maior tempo possível.

A pesquisa do Dr. Fred Bryant , professor da Loyola University of Chicago, que criou o termo “Savor”, mostra que aqueles que regularmente e frequentemente “saboreiam” são mais felizes, mais otimistas e mais satisfeitos com a vida. Bryant descreve “Savor” em três tempos, o que significa que podemos apreciar o passado (por relembrar) , apreciar o futuro (por meio de antecipação positiva) ou apreciar o presente (por praticar a consciência).

Thank:Gratidão.

O simples ato de identificar apreciar as coisas que as pessoas fazem por nós é maravilhoso e nos enche de otimismo e autoconfiança. E quando expressamos nossa gratidão a alguém, temos carinho e gratidão em troca. Em estudos conduzidos pelo Dr. Martin Seligman, pessoas escreveram cartas de gratidão a alguém, e foram percebidos aumentos imediatos na felicidade e diminuição nos sintomas depressivos . Bob Emmons , professor de psicologia na Universidade da Califórnia, acredita que todos devem tentar praticar a gratidão: “Primeiramente, a prática da gratidão pode aumentar os níveis de felicidade em cerca de 25%. Em segundo, isso não é difícil de alcançar. Em poucas horas escrevendo um diário de gratidão pode criar um efeito que dura 6 meses, se não mais. Em terceiro lugar, cultivar a gratidão traz outros efeitos sobre a saúde, como melhor tempo e qualidade de sono”.

Aspire:Aspiração (ou.. sentir-se esperançoso).

Sentir-se esperançoso ou ter um senso de propósito. Estudos apontam que as pessoas que criaram significado em suas vidas são mais felizes e mais satisfeitos (Steger, Oishi, e Kashdan 2008). Otimismo genuíno faz seus objetivos parecem atingíveis e seus desafios mais fáceis de superar. Resumindo: você não só vai se sentir mais bem-sucedido, você vai ser mais bem sucedido. Ao acreditar que suas metas estão ao alcance, é formada uma sensação de significado e propósito.

Give: Doação.

Ganhar presentes é sempre bom. O que você talvez não saiba é que quem dá e não quem recebe, colhe ainda mais benefícios. Ser gentil, não só nos faz sentir menos estressados​​, menos isolados e com menos raiva, mas também nos faz sentir consideravelmente mais felizes, mais conectados com o mundo, e mais aberto a novas experiências. Dr. Sonja Lyubomirsky, durante uma pesquisa, pediu aos alunos para cometer cinco atos aleatórios de bondade a cada semana durante seis semanas. Considerando que o grupo de controle tiveram uma redução no bem-estar , aqueles que se envolveram em atos de bondade mostraram um aumento de 42% em felicidade. Somos mais felizes quando gastamos dinheiro com outras pessoas do que quando gastamos com nós mesmos. E um estudo de 2006 descobriu que simplesmente refletir sobre coisas boas que fizemos para outras pessoas pode levantar o nosso humor.

Empathize: Empatia.

Empatia é a capacidade de se preocupar com os outros, é a capacidade de imaginar e entender os pensamentos, comportamentos ou ideias de outros, incluindo aqueles que são diferentes de nós mesmos.  Ter empatia nos torna menos críticos, menos frustrados, irritados ou decepcionados e desenvolvemos paciência. Uma pesquisa feita pelo Dr. Kristin Neff, sugere que as pessoas que têm mais auto- compaixão levam vidas mais saudáveis, mais produtivas do que aquelas que são auto-críticas.

Curtiu? Aqui vai o site: http://www.happify.com/

Quer entender mais sobre esses estudos? Clique aqui.

 

Comentários

Sentindo na Pele | Empatia

14 de June de 2013
Captura de Tela 2013-06-13 às 23.38.00

Um dos pilares dos processos de inovação, principalmente do Design Thinking, é a Empatia.

Empatia = tratar o outro como ELE gostaria de ser tratado.

Empatia não é uma tarefa fácil. Não é apenas se colocar no lugar do outro mas sim sentir como o outro e viver como o outro, para entender o que o outro precisa.

Esse processo é chamado, dentro das ferramentas de Design Thinking, de “A day in a life” (um dia na vida de). Um jeito simples de fazer com que você sinta na pele do outro e crie a empatia necessária para a criação de soluções inovadoras no processo de inovação.

Em alguns casos simples, pode ser realizar uma tarefa e experimentar um produto. Em outros casos mais complexos, é possível fazer o uso de trajes especiais como no caso de gerar empatia por idosos e suas limitações. (conheça o traje desenvolvido pelo MIT e que te faz sentir com 70 anos). 

Dentro desse processo de empatia, uma tarefa difícil é compreender uma mulher grávida e como ela se sente. Essa experiência única para as mulheres torna para os homens um desafio entender suas sensações e emoções como por exemplo, saber o que é sentir quando o bebê se move ou chuta.

Querendo que os pais saibam um pouquinho o que é essa sensação, a Huggies criou uma faixa que replica os movimentos e chutes do bebê em tempo real da barriga da mãe para a barriga do pai, permitindo que eles sentissem o mesmo que as mães em suas próprias barrigas. Confira ação incrível no vídeo abaixo:

 

 

Empatia não é uma tarefa fácil. Mas o primeiro passo para alcançá-la com sucesso é se importar realmente com o motivo pelo qual você está fazendo isso e se entregar à tarefa de se colocar no lugar do outro de corpo e alma presentes, vivenciando a experiência com um propósito real.

Comentários

Follow Us!

Realização:

Parceria

Biblioteca