SparkTruck. Uma iniciativa diferente para criar pequenos inovadores.

por Paula Falco
23 de December de 2013
1491198_10152202177642176_906846663_n

SparkTruck é uma proposta de educação móvel. Em 2012 esse grupo rodou os Estados Unidos, encorajando crianças em aprender sobre inovação de formas bem divertidas.

O projeto é tão inovador, que ganhou o premio “Innovation by Design Awards 2013”, da Fast Co. Design.

Em 2012, um grupo de alunos de Stanforf iniciou o projeto SparkLab com estudos voltados à educação e tecnologia.  Inicialmente a ideia era o protótipo de uma tese que acabou virando uma start-up. Após uma bem sucedida kickstarter campaign, eles conseguiram dinheiro para o caminhão e para todos os equipamentos criativos.

 

 

Ao visitar 2.700 alunos pela América, a SparkTruck mostrou ser uma fantástica iniciativa de alunos para alunos. Ensinando inovação para um futuro melhor.

 

Entenda mais do projeto aqui: http://sparktruck.org/

Comentários

Quando um sistema de ensino muda as regras do jogo

23 de October de 2013
escolas

Há muito tempo atrás, nós viemos aqui divulgar um projeto que havia sido lançado via Catarse e no qual acreditamos de coração. Tratava-se do coletivo Educ-Ação que tinha como objetivo rodar o mundo atrás de modelos de educação com práticas inovadoras.

Ficamos tão encantadas com o projeto e com a dedicação deste grupo que até entrevistamos um dos seus queridos membros, o André Gravatá, que deu um show de simpatia, além de esbanjar sua energia para mudar o mundo. (Confira a reportagem aqui)

Agora é com muita alegria que a gente abre esse espaço para divulgar o belíssimo trabalho que resultou da energia destas pessoas: o livro Volta ao Mundo em 13 Escolas.

Em versão digital gratuita ou versão física, passível de compra, o livro aborda sistemas de ensino inovadores de 13 escolas ao redor do mundo, que estão mudando as regras do jogo. Confira no mapa abaixo as escolas visitadas:

Captura de Tela 2013-10-23 às 10.54.16

Além de contar a jornada incrível passando por cada escola, o livro é cheio de referências e dicas de livros e sites para quem quer se aprofundar em algum assunto apresentado ao longo das páginas.

Para baixar o livro gratuitamente, acesse aqui.

E, instigando um pouco mais a sua curiosidade sobre o livro (que nós já baixamos e estamos lendo com muito carinho), deixamos o trecho final da obra  e uma poesia que dão o tom do projeto.

Nas palavras de André Gravatá, publicadas no livro Volta ao Mundo em 13 Escolas:

“(…) Um dia, minha mãe me perguntou: “Filho, por que você gasta tanto tempo do seu dia nesses projetos de educação?”. A minha resposta mais sensata está na certeza de que a educação é uma ferramenta para nos reen- cantarmos com o mundo e nos reconectarmos com nós e com os outros.

Por fim, gostaria de compartilhar um poema escrito por mim ao final da jornada, com o título “A podência da educação”. Sinto que certas refle- xões são mais bem apreendidas por meio da arte. 

Educação é feita principalmente de gente
Gente é feita principalmente de abundância
Freire disse que se a educação não pode tudo
alguma coisa fundamental ela pode
E a educação pode uma podência
Que surgiu bem antes de método ou ciência

A educação tem a podência do esticamento do olhar
Para que ele se abra enorme
Do tamanho do mar

A educação tem a podência da expansão
Do cultivo de campos de diversidade
Para fertilizar os sertões
Que hoje têm nome de cidade

A educação tem a podência do desafiamento
Passa pelo encontro com nossos redemoinhos internos
Que giram, sem trégua, num movimento de bagunçação
Daquelas entranhas feitas principalmente de emoção

A educação tem a podência de instaurar
Uma catação de horizontes dentro de cada um
Para que as abundâncias sejam descobertas
Lapidadas, expostas, caleidoscopadas
Tocadas, abertas, compartilhadas

A educação tem a podência de conjugar
Um verbo sinuoso, em chamas
O verbo ousadiar
Que é verbo de significância
Verbo de propósito sem demora
Para que nos ousadiemos no agora
E no gerúndio, ousadiando
A qualquer hora.”

Comentários

NovoEd | Cursos de Stanford para todos

29 de April de 2013
Colorful Chalk at Chalkboard

Estamos sempre em busca de novos conhecimentos. Por isso, adoramos quando surgem iniciativas que tem como objetivo principal compartilhar conhecimentos que antes eram limitados a poucos.

Assim é o caso de várias plataformas de cursos on line que já falamos por aqui, como a Edx (iniciativa do MIT + Harvard), a plataforma de cursos online da Zappos, ou o  Coursera.org, com seus mais de 100 cursos.

Agora é a vez da Universidade de Stanford apresentar sua plataforma de cursos on line e gratuita: o NovoEd.

A plataforma é uma start up, iniciativa do professor do Instituto de Computação e Engenharia da Universidade, Amin Saberi, em parceria com sua aluna de PhD Farnaz Ronaghi. O projeto surgiu quando o professor descobriu em conversa com seus colegas que, assim como ele, muitos gostariam de levar suas aulas para a internet mas não o faziam pois sentiam que o conteúdo e o aproveitamento do curso não seriam o mesmo pela falta de interação e troca entre alunos que normalmente ocorre nas aulas presenciais.

 

novo-ed

E é neste ponto que o NovoEd se diferencia dos demais sites do mesmo segmento. Os cursos exigem dos participantes um nível maior de envolvimento e engajamento, através de trabalhos em grupo, discussões e debates. Para que essas interações ocorram com pessoas de todas as partes do mundo, ferramentas como Google Hangout, Twitter e Facebook se tornam fundamentais para a comunicação e o trabalho dos grupos.

Atualmente o site apresenta sete cursos gratuitos e disponíveis para o público em geral, e outros dez cursos disponíveis apenas para alunos de Stanford. Entre os temas estão criatividade, empreendedorismo, finanças, entre outros.

Qualquer um pode se inscrever e realizar os cursos. As únicas recomendações da plataforma são as questões de acesso à internet com boa conexão, compreensão do inglês, e, principalmente, um tempo disponível entre 1 a 5 horas por semana para se dedicar às aulas e às atividades em grupo. É possível se inscrever com um grupo próprio para os trabalhos ou optar por deixar que o site te inclua em algum grupo escolhido automaticamente.

Mais uma fonte de conhecimento de qualidade, sem custo, e à nossa disposição! Então, let’s enjoy! ;)

Comentários

Aprendendo a ver

16 de April de 2013
Screen-shot-2012-07-31-at-7.14.09-PM

 

Inge Druckrey é professora de design há mais de 40 anos. Sua principal lição têm sido ensinar as pessoas a ver.

O documentário de 38 minutos mostra a visão de Inge sobre design e diversos trabalhos propostos por ela a seus alunos, reforçando a importancia de ver o mundo através de olhos críticos e curiosos.

 

Captura de Tela 2013-04-16 às 11.35.40

 

Encontrar padrões, ir além. É como se fosse uma “educação visual”,  que orienta o espectador a ter mais sensibilização no olhar, não apenas para o conteúdo da imagem, mas suas propriedades, texturas, formas e composição. Característica essencial para um bom designer.

 

A frase que mais me marcou foi: “You have to go beyond ‘what it is?’ and try to understand ‘what it’s doing?'”. – (tradução livre: “Você tem que ir além do ‘o que é?’ e procurar entender ‘o que está fazendo'”.

O curta, foi dirigido por Andrei Severny e produzido por Edward Tufte, e com certeza é um “must see” para quem trabalha ou gosta de design. Infelizmente não encontrei nenhuma versão com legenda.

 

*A Take a Tip possui um treinamento chamado Laboratório de Imersão com o objetivo de treinar o olhar das equipes. Para saber mais entre em contato takeatip@takeatip.com.br.

Comentários

Educ-ação | Modelos Inovadores de Ensino

2 de November de 2012
Education gap widening

Se é com educação que se muda o mundo, também não será com o mesmo modelo de educação praticado há tantos anos que veremos muitas mudanças acontecendo por aí.

É partindo dessa vontade de ver novos modelos de educação e iniciativas inspiradoras de aprendizagem, que nasceu o projeto Educ-ação.

Este projeto está em busca de 12 modelos inovadores de ensino, que provem que é possível educar e ensinar sem que criemos um exército de pessoas iguais, com as mesmas ideias e pensamentos, mas sim apostando no potencial de cada indívuo em prol de transformar o coletivo. A proposta é buscar modelos de ensino que trabalhem com temas e metodologias atuais como o empreendedorismo, a lógica dos games, a sustentabilidade, entre outros temas não abordados no modelo padrão de educação atual.

 

 

A iniciativa, que não tem fins lucrativos, tem como propósito maior “inspirar pais inquietos, jovens curiosos e educadores empreendedores por meio dessa jornada que será relatada num livro”, segundo os organizadores do projeto. Estes organizadores, de alguma forma, seja pela sua formação, profissão ou vocação, já estão ligados à causas e estudos que visam trazer à tona formas de transformação.

Uma destas pessoas é o André Gravatá, um jovem jornalista conhecido por criar microrrevoluções e pela sua famosa provocação de que “dá para mudar o mundo na hora do almoço”. [logo mais publicaremos uma entrevista que fizemos com o André, aqui no blog] Outra figura, que sua presença no projeto já indica a qualidade das busca e da exploração das informações, é a gaúcha Carla Mayumi, hoje um dos maiores nomes em pesquisa de mercado no Brasil, e sócia da nossa queridinha das pesquisas, a BOX1824 (aquela do Sonho Brasileiro e do We All Want to Be Young, lembra?).

Para compor o livro “Volta ao Mundo em 12 Escolas”, o projeto Educ-Ação já realizou pesquisas em 6 modelos educacionais, até agora: um no Brasil, três na Europa, um nos EUA, um na Indonésia, e mais recentemente, na Índia.

Sala de aula na Green School, escola visitada em Bali, Indonésia. Foto: Educ-ação

É possível acompanhar a jornada através do site do projeto http://educ-acao.com.

Também é possível contribuir com o projeto que está com um crowdfunding rolando na rede Catarse em busca de financiamento para o livro. O apoio vai de R$ 10 até R$ 10.0000, cada contribuição recebendo uma recompensa como forma de agradecimento. Por exemplo, quem contribuir com R$ 50, torna-se um Apoiador Leitor e recebe como agradecimento um exemplar do livro impresso; tem seu nome citado no livro como apoiador; recebe o 1º capítulo dois meses antes da publicação do livro; um adesivo com frase do projeto; e (uma jóia rara) uma  lista com as leituras que marcaram os pesquisadores ao longo da jornada.

Super vale contribuir para esta grande jornada! Mas corra porque só pode até o dia 09/11, e se eles não conseguirem o valor total do projeto, não recebem o financiamento do Catarse que já arrecadou R$ 34.751 dos R$ 48.000 meta.

Comentários

Harvard e MIT anunciam plataforma de educação open source

4 de May de 2012
edx

Duas das melhores universidades do mundo, Harvard e MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), acabam de anunciar uma parceria na criação de uma plataforma de educação online, chamada edX. A meta dessas é criar uma comunidade global de estudantes online melhorando a educação de todos.

“O edX é uma oportunidade para melhorar a educação, criando um novo caminho para milhões de alunos em todo o mundo”, afirmou em nota a reitora do MIT, Susan Hockfield.

Algo novo, inovador e ousado, que pode revolucionar o segmento da educação mundial. As universidades ressaltaram no lançamento da plataforma que a ideia não é substituir a educação presencial pelo ensino à distância, mas complementá-lo

Até agora o que sabemos, é que a plataforma será open source, com o ensino projetado para a internet. A ideia é que os alunos tenham ritmo próprio de aprendizagem, grupos de discussão online, aprendizagem colaborativa, avaliação do progresso do aluno durante os módulos e, laboratórios online.

A lista de cursos será anunciada nos próximos meses, e as aulas devem começar a partir do próximo semestre.

Assista o vídeo de divulgação da plataforma:

Assista a conferência realizada com a imprensa para divulgação do edX:

Para seguir o canal do edX no YouTube e ficar atento às próximas novidades, clique aqui.

Nós estamos super ansiosas para começar a fazer os cursos disponibilizados, afinal, uma oportunidade dessas ninguém pode perder, né!?

Comentários

Sugata Mitra | Educação e Tecnologia

7 de February de 2012
1280px-OEB2007_Sugatra_Mitra_2

Como esta semana (quase) não se fala em outra coisa no mundo internético que não sobre a quinta edição da Campus Party Brasil #CPBR5, resolvemos fazer uma semana especial.

Durante toda a semana estaremos “campusando” e acompanhando os assuntos que atrairão maior público e que ainda não ouvimos muito disso por aqui… logo, traremos pra cá post dos assuntos quentes, inteligentes e com um grande potencial de tendência com alto impacto nos próximos anos para a sua vida.

E pra abrir a semana com estilo, vamos falar de Sugata Mitra. Quem? “Aaaah… se é indiano vai falar sobre mercados emergentes e pobreza”. Não (exatamente). Os estudos que o pesquisador indiano vêm desenvolvendo ao longo dos anos estão focando em algo em que a Índia também tem se mostrado referência: tecnologia. E para ser mais específico, ele resolveu aprofundar no quanto a tecnologia consegue auxiliar o processo de educação e, indo além, o quanto a tecnologia tem afetado o modelo atual de educação e o papel do professor em tudo isso.

Durante a palestra no CPBR5, o Professor da Universidade de Newcastle e docente visitante do Massachusetts Institute of Technology (MIT), falou sobre seu experimento chamado de Hole-in-the-Wall. Neste experimento, o pesquisador colocou computadores em buracos feitos em paredes de um pequeno vilarejo indiano, na altura das crianças para que elas pudessem interagir com os equipamentos misteriosos para elas, e foi embora. Ao voltar depois de 3 meses, para sua surpresa, as crianças estavam dominando o uso dos computadores, jogando vários games, e ele foi abordado por elas reclamando que precisavam de um ‘processador mais rápido e um mouse melhor’ para os jogos. Quando o Sumata perguntou às crianças como elas haviam chegado à essa conclusão, a resposta para elas era simples: elas aprenderam inglês pelo computador sozinhas, para poder pesquisar e aprimorar o uso da máquina.

Outros estudos como este tornaram Mitra em um dos maiores especialistas do mundo em tecnologia educacional, e levaram o professor à  algumas conclusões que foram compartilhadas hoje no CPBR5:

– “Os professores precisam ser capazes de dizer algo que não estão acostumados a dizer: eu não sei, mas vamos descobrir. E eu garanto que um grupo de vinte crianças é capaz de descobrir em duas horas como desenvolver um aplicativo para Android”;

– “O professor deveria ser um mediador e não um ensinador”;

– A fórmula para o sucesso no ensino é um computador na mão e uma boa pergunta na cabeça;

– ‘Professores deveriam ser substituídos por computadores com acesso a web’;

– Crianças aprendem sozinhas quando estimuladas e com ferramentas.

A palestra foi a mais disputada ao longo do dia, e com as perguntas mais instigantes já que na platéia estavam muitos professores que ouviram deste incrível pensador que “professores deveriam ser substituídos por máquinas”. Durante a palestra o nome do professor foi parar nos Trend Topics do Twitter (aliás, se quiser seguir o professor, @Sugatam).

Nós curtimos muito! E você?! Concorda com essa nova era de educação?!

Comentários

Follow Us!

Realização:

Parceria

Biblioteca