User Experience: A base de todo design.

por Paula Falco
29 de January de 2014
1620198_10152282354522176_6351567_n

Mais conhecido como UX, User Experience é cada vez mais encontrado em pesquisas e processos de criação nas áreas de design, marketing, arquitetura e até engenharia. É resumidamente, uma disciplina que ajuda todos a entender como as pessoas se comportam na perante algum objeto ou serviço.

Eu, particularmente acredito que UX deveria ser usado em todas as áreas, afinal, todas lidam com o comportamento humano em algum momento (ou todos os momentos).

Hoje, existem centenas de metodologias de pesquisa em UX, porém tudo começou em  1890 com o “The Principles of Scientific Management”, onde Frederick Winslow Taylor, propôs que otimizar e simplificar processos faria com que a produtividade das empresas aumentasse.

Ele também acreditava que empregados e gerencia precisavam criar uma cooperação mútua. Uma ideia de relacionamento profissional muito inusitada para época. A realidade na verdade era, o gerente da fábrica que normalmente tinha pouco tempo e pouco contato com os trabalhadores, acabava os deixando responsáveis pela produção total dos produtos. Não havia nenhum tipo de padronização e nem a menor motivação para os trabalhadores e sua eficiência era muito baixa.

Aí que entra também o papel da empatia, onde deixam de existir os “chefes” e “patrões” e é iniciada uma geração que vem aos poucos (ainda bem), tomando conta do mercado, a geração de líderes.

De acordo com Santosh Basapur, pesquisador e desenvolvedor na área, “o conceito de “user centered design” ainda é e será por muito tempo a forma de se desenvolver bom produtos e serviços”. Afinal, quem melhor que o usuário pra dizer o que é necessário ser feito. Claro que as vezes, nem sempre o usuário consegue repassar a necessidade de mudança e para isso estudos de UX são feitos para reparar esses detalhes que podem fazer pequenos processos defeituosos bem melhores.

Tem olhado para o seu usuário final ultimamente?

Aqui vai uma boa fonte: http://www.allaboutux.org/

Esse site foi desenvolvido por estudiosos e continua crescendo com novos processos e metodologias. Dúvidas sobre o processo? Me mande um e-mail.  :)

Comentários

SparkTruck. Uma iniciativa diferente para criar pequenos inovadores.

por Paula Falco
23 de December de 2013
1491198_10152202177642176_906846663_n

SparkTruck é uma proposta de educação móvel. Em 2012 esse grupo rodou os Estados Unidos, encorajando crianças em aprender sobre inovação de formas bem divertidas.

O projeto é tão inovador, que ganhou o premio “Innovation by Design Awards 2013”, da Fast Co. Design.

Em 2012, um grupo de alunos de Stanforf iniciou o projeto SparkLab com estudos voltados à educação e tecnologia.  Inicialmente a ideia era o protótipo de uma tese que acabou virando uma start-up. Após uma bem sucedida kickstarter campaign, eles conseguiram dinheiro para o caminhão e para todos os equipamentos criativos.

 

 

Ao visitar 2.700 alunos pela América, a SparkTruck mostrou ser uma fantástica iniciativa de alunos para alunos. Ensinando inovação para um futuro melhor.

 

Entenda mais do projeto aqui: http://sparktruck.org/

Comentários

Happify. Inovando pela felicidade.

por Paula Falco
20 de December de 2013
1486277_10152200716207176_871580726_o

Pra quem ainda não conhece, prazer, Happify. :)

Uma nova ferramenta que mede seu nível de felicidade de uma forma bem diferente.

Desenvolvida por cientistas e designers de games, que traduziram sua últimas pesquisas em atividades e jogos, que ajudam construir a ideia de felicidade e a formar hábitos interativos para uma mudança de vida. Happify funciona com a plataforma S.T.A.G.ETM – Savor, Thank, Aspire, Give e Emphatize – traduzindo: otimismo, autoconfiança, gratidão, esperança, compaixão e empatia.

Ao entrar no site é só preencher um questionário rapidinho sobre sua opinião de como você se relaciona com a felicidade em vários cenários e a partir daí começa o processo de desenvolvimento pessoal.

 

1470519_10152200716222176_881156366_n

1488347_10152200716212176_299776158_n

992259_10152200716217176_298831158_n

Entenda como a felicidade pode alterar seu futuro e seu rendimento (em everything).

Savor: Otimismo (ou… apreciar, saborear algo ao máximo).

Apreciar algo ao máximo é um ótimo jeito de aumentar o otimismo, reduzir o estresse e emoções negativas. É a prática de perceber as coisas boas ao seu redor e tomar o tempo extra para prolongar e desfrutar da experiência, fazendo durar o maior tempo possível.

A pesquisa do Dr. Fred Bryant , professor da Loyola University of Chicago, que criou o termo “Savor”, mostra que aqueles que regularmente e frequentemente “saboreiam” são mais felizes, mais otimistas e mais satisfeitos com a vida. Bryant descreve “Savor” em três tempos, o que significa que podemos apreciar o passado (por relembrar) , apreciar o futuro (por meio de antecipação positiva) ou apreciar o presente (por praticar a consciência).

Thank:Gratidão.

O simples ato de identificar apreciar as coisas que as pessoas fazem por nós é maravilhoso e nos enche de otimismo e autoconfiança. E quando expressamos nossa gratidão a alguém, temos carinho e gratidão em troca. Em estudos conduzidos pelo Dr. Martin Seligman, pessoas escreveram cartas de gratidão a alguém, e foram percebidos aumentos imediatos na felicidade e diminuição nos sintomas depressivos . Bob Emmons , professor de psicologia na Universidade da Califórnia, acredita que todos devem tentar praticar a gratidão: “Primeiramente, a prática da gratidão pode aumentar os níveis de felicidade em cerca de 25%. Em segundo, isso não é difícil de alcançar. Em poucas horas escrevendo um diário de gratidão pode criar um efeito que dura 6 meses, se não mais. Em terceiro lugar, cultivar a gratidão traz outros efeitos sobre a saúde, como melhor tempo e qualidade de sono”.

Aspire:Aspiração (ou.. sentir-se esperançoso).

Sentir-se esperançoso ou ter um senso de propósito. Estudos apontam que as pessoas que criaram significado em suas vidas são mais felizes e mais satisfeitos (Steger, Oishi, e Kashdan 2008). Otimismo genuíno faz seus objetivos parecem atingíveis e seus desafios mais fáceis de superar. Resumindo: você não só vai se sentir mais bem-sucedido, você vai ser mais bem sucedido. Ao acreditar que suas metas estão ao alcance, é formada uma sensação de significado e propósito.

Give: Doação.

Ganhar presentes é sempre bom. O que você talvez não saiba é que quem dá e não quem recebe, colhe ainda mais benefícios. Ser gentil, não só nos faz sentir menos estressados​​, menos isolados e com menos raiva, mas também nos faz sentir consideravelmente mais felizes, mais conectados com o mundo, e mais aberto a novas experiências. Dr. Sonja Lyubomirsky, durante uma pesquisa, pediu aos alunos para cometer cinco atos aleatórios de bondade a cada semana durante seis semanas. Considerando que o grupo de controle tiveram uma redução no bem-estar , aqueles que se envolveram em atos de bondade mostraram um aumento de 42% em felicidade. Somos mais felizes quando gastamos dinheiro com outras pessoas do que quando gastamos com nós mesmos. E um estudo de 2006 descobriu que simplesmente refletir sobre coisas boas que fizemos para outras pessoas pode levantar o nosso humor.

Empathize: Empatia.

Empatia é a capacidade de se preocupar com os outros, é a capacidade de imaginar e entender os pensamentos, comportamentos ou ideias de outros, incluindo aqueles que são diferentes de nós mesmos.  Ter empatia nos torna menos críticos, menos frustrados, irritados ou decepcionados e desenvolvemos paciência. Uma pesquisa feita pelo Dr. Kristin Neff, sugere que as pessoas que têm mais auto- compaixão levam vidas mais saudáveis, mais produtivas do que aquelas que são auto-críticas.

Curtiu? Aqui vai o site: http://www.happify.com/

Quer entender mais sobre esses estudos? Clique aqui.

 

Comentários

VOCATIV | Conheça o futuro do jornalismo

29 de October de 2013
Captura de Tela 2013-10-29 às 11.16.58

Não é de hoje que o jornalismo tem vivido um conflito entre os meios tradicionais de se fazer uma boa matéria e o grande mar de informações disponíveis na internet, que possibilita uma exploração maior dos fatos, ao mesmo tempo que gera uma “caça ao tesouro” por informações que sejam de fato relevantes neste mar da web.

Dentro deste movimento de busca de re-invenção do jornalismo, seguindo as tendências de exploração das informações na web, e intrigado pelo fato de grandes eventos, como a crise financeira dos EUA e os conflitos no Oriente Médio, não terem sido previstos com antecedência, Mati Kochavi criou a startup que promete revolucionar o mundo das notícias e a forma de se fazer jornalismo: o Vocativ.

 

vocatic

O Vocativ tem como princípio  explorar a deep web, os 80% de conteúdo que não aparecem nos sistemas de busca mas que estão presentes na grande rede. A partir dos dados encontrados, realizar análises que mostrem conexões, e contar histórias a partir destas análises. É o jornalismo feito de uma forma diferente, contando com uma base crítica de análise de fatos e dados escondidos pela web, a partir da colaboração e informação dadas pelos jovens entre 20 e 30 anos – os grandes abastecedores do social media.

Esse princípio fica claro na auto-descrição da empresa: “a media startup built for – and by – the Crowd. We’re currently hard at work building a series of extraordinary technologies and ideas.”

O vídeo abaixo explica um pouco mais sobre o Vocativ:

 

Para identificar os tópicos interessantes e as tendências mais relevantes para criação de suas matérias, o Vocativ tem contado com uma tecnologia desenvolvida em uma das outras empresas de Kochavi, a Open Mind, baseada em Israel. Os algorítimos do sistema vasculham bancos de dados abertos, como redes sociais e grupos de e-mail, mergulhando na deep web e identificando o que é relevante.

Com este jornalismo sério, recheado de fontes de informações interessantes, a empresa tem atraído talentos de grandes mídias para fazer parte do time que já conta com 40 pessoas em seu escritório em Nova York. Entre editores, jornalistas, especialistas de data-mining, e executivos, encontram-se nomes do The New York Times, CNN e Reuters.

Vale ficar ligado nas notícias trazidas pelo Vocativ e acompanhar os próximos passos desta Startup que veio para mudar as regras do jogo do jornalismo e do mundo das informações.

Para saber mais, leia os artigos: MashableBusinessWeek; FastCompany.

Comentários

Será o celular do futuro?

12 de September de 2013

Será o celular do futuro ou deveria ainda ser o celular do agora?

Quando assistimos ao vídeo da proposta do Phone Blocks, no início parece algo muito tecnológico e futurista. Porém, ao passar o choque inicial da grande ideia, pensamos “ei, peraí, por que as empresas ainda não fazem desse jeito?”.

 

pb1

 

Tudo o que é proposto para esse aparelho modular, customizável e não descartável é possível de ser realizado. O grande desafio vem na segunda parte do vídeo. O modelo de negócio desta ideia genial.

Afinal, por que empresas como a Apple e a Samsung iriam querer parar de lançar aparelhos novos a cada ano e nos levar a achar nossa tecnologia obsoleta e trocar o aparelho todo por causa de uma nova funcionalidade?

É aí que vem a explicação do projeto. Um movimento colaborativo, mundial – crowdspeaking – clamando para que as empresas parem e olhem para este projeto e comecem a trabalhar juntas para construir algo assim. E ao invés de apenas vender celulares novos a cada ano, muda-se totalmente o modelo de negócios e as empresas começam a comercializar as peças modulares para que você possa customizar e atualizar o que achar necessário no seu aparelho.

 

pb2

 

É um projeto ambicioso, grande, audacioso, mas que combina com o momento onde cada vez mais pessoas optam por um consumo consciente (leia mais sobre simplicidade voluntária), e estão em busca de produtos que representem o não desperdício de recursos – e do nosso dinheiro (um exemplo de produto lançado recentemente seguindo este pensamento é a linha Sou da Natura).

O vídeo abaixo explica a ideia completa do Phone Blocks. Mas um alerta: é possível que você passe a não olhar para o seu celular com os mesmos olhos. =] #phoneblocks

 

Comentários

Free Desk Here | Temos Vagas!

8 de May de 2013
700

O conceito de coworking já se tornou comum no Brasil. Novos espaços como o The Hub e o Plug N’Work surgem a cada dia, oferecendo pacotes e planos para quem precisa “alugar” um espaço para trabalhar.

A novidade agora é o conceito de Free Desk Here. Qual a diferença para os espaços de coworking que conhecemos? A primeira, como o nome já diz, é que é free; a segunda, é que a estação de trabalho que você ocupa não está em um ambiente feito só para compartilhamentos de mesas, mas sim em uma empresa comum, ou melhor, em uma agência de publicidade, segmento que mais aderiu à onda, por enquanto.

ra

 

O serviço lançado por Nick Couch (dono da Open Studio Club, uma espécie de Airbnb para escritórios) é descrito por ele como um Linkedin da vida real, em artigo para a Fast Co.. “É um jeito de pessoas encontrarem novas pessoas, mas de uma forma mais significativa do que “adicionando alguém na lista com +500.”

Para a agência que disponibiliza o espaço, as vantagens estão em contar com novas ideias, um olhar diferente, uma referência nova para influenciar seus criativos no dia-a-dia, dando uma sacudida no ambiente. Imagine a cada um ou dois meses contar com um “turista” trazendo suas experiências para compartilhar com o time? É desta troca que, quem cede a mesa, está em busca. Por isso, na hora de anunciar a mesa, é possível também fazer uma descrição do perfil de visitante que a agência gostaria de receber e ressaltar características (criativo, músico, cientista, bom de bola, mãe que manda bolo pro trabalho, etc.).

Captura de Tela 2013-05-07 às 20.08.01

 

Para quem vai usufruir da mesa-amiga, os benefícios são inúmeros, assim como também são inúmeras as regras que vão desde não tocar música até ter que assinar um contrato de confidencialidade. Mas vale a pena pela experiência, pela oportunidade de mostrar seu trabalho, conhecer pessoas interessantes e descobrir como é o dia-a-dia (de verdade) de uma agência.

Captura de Tela 2013-05-07 às 18.43.25

 

Fazendo uma busca pelas mesas disponíveis no site, encontramos mesas em Berlim, Londres, Nova York, Barcelona, e em mais algumas cidades da Europa e EUA. Mas não encontramos nenhuma mesa em solo verde e amarelo!

E aí? Qual será a primeira agência (ou empresa, por que não?) brasileira a anunciar sua Free Desk Here???

 

Comentários

Museu do Amanhã

1 de April de 2013
Imagem1

Em 2014, a região do Píer Mauá, na cidade do Rio de Janeiro, irá ganhar o Museu do Amanhã.

A construção, que faz parte do projeto de revitalização do porto, tem a arquitetura assinada pelo espanhol Santiago Calatrava, e irá permitir ao visitante explorar como as coisas serão nos próximos 50 anos, nos campos da matéria, da vida e do pensamento, além de debater questões como mudanças climáticas, crescimento e envelhecimento da população, integração global, entre outros.

 

museu

E o compromisso do museu com o amanhã já começa com a sua preocupação com o meio ambiente realizando um projeto de arquitetura sustentável. A construção está utilizando materiais reciclados, o telhado está sendo projetado para conter placas de captação de energia solar, e estão sendo desenvolvidos sistemas para captação de recursos naturais da região como, por exemplo, a utilização da água da Baía de Guanabara para a climatização do interior do Museu.

O curador do museu será o físico e doutor em cosmologia Luiz Alberto Oliveira, que terá a missão de estimular nos visitantes uma reflexão sobre o passado, o presente e o futuro através da ciência. Para isso ele contará com instalações interativas; cenários;  jogos audiovisuais; exposições permanentes; uma sala com mostras temporárias; um Centro de Referência do Profissional do Amanhã, onde serão ministrados cursos e palestras; e o Observatório do Amanhã, uma sala dedicada a apresentar os resultados das últimas pesquisas científicas e sociais realizadas ao redor do mundo.

 [youtube=http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=pU2A9Fq3XQs]

 Nós, que adoramos ficar imaginando como será o futuro, estamos super ansiosas pela inauguração deste projeto inovador! E você? :)

Comentários

A inovação invisível na Índia

21 de March de 2013
nirmalya_kumar_20100927

O vídeo abaixo é a apresentação do professor de marketing da London Business School, Nirmalya Kumar, no TEDxLondonBusinessSchool. Ele defende que a Índia já está entre os principais pólos de inovação do mundo e explica por que empresas que costumavam exportar apenas trabalhos de fabricação estão começando a deslocar para a Índia altos postos executivos.

Nirmalya Kumar lecionou em Harvard Business School, IMD-International Institute for Management Development, na Suíça, e na Kellogg School of Management da Northwestern University. Atualmente é Professor de Marketing e Co-Diretor do Centro Aditya Birla India na London Business School. Kumar tem atuado como consultor para mais de 50 empresas Fortune 500, trabalhou no conselho de cinco empresas indianas, e já publicou seis livros – incluindo, mais recentemente,  “Índia Interior: o desafio da inovação emergente para o Ocidente”.

Comentários

Geração Gafanhoto

19 de February de 2013
Captura de Tela 2013-02-19 às 10.23.59

Ontem o pessoal do Update or Die postou um video criado por Raphael Truffi Bortholuzzi para a B-Young Agency sobre a geração gafanhoto.

– Wait! What?! Geração gafanhoto? O.O

Pois é, damos este nome  à “galerinha” que ficava (fica) em casa o dia todo enquanto os pais trabalham (e muitas vezes, depois de um tempo, se divorciam) e que recebem presentes como forma de suprir essa ausência/carência. Eles gastam bilhões de dólares anualmente, consumistas compulsivos. O Update or Die, também usou uma ótima frase para caracteriza-los: “A geração gafanhoto não consegue prestar atenção em nada por mais de um minuto e segue pulando de um lado para o outro, ditando tendências, cultura e comportamento.”

Assista o vídeo e diga aí, o que você acha?

Comentários

10 Tendências para 2013 pela JWT

10 de December de 2012
Top-Trends-For-2013-ADZAG.CO_

A JWT é uma das maiores agências de publicidade do mundo. Essa semana, ela divulgou sua oitava edição do relatório, com as dez principais tendências que influenciarão a mentalidade e o comportamento do consumidor no próximo ano. O estudo é feito com base em pesquisas quantitativas e qualitativas, em entrevistas com especialistas e influenciadores de diferentes mercados e no trabalho de cerca de 70 profissionais de planejamento de mais de 20 escritórios da rede.

Como já havíamos previsto, segundo a JWT, os objetos do cotidiano se tornarão cada vez mais inteligentes devido, é claro, à tecnologia.

Assista ao vídeo de 2 minutos para conhecer o resultado:

[youtube=http://youtu.be/bCDs7zQELpM]

Comentários
Pages:123»

Follow Us!

Realização:

Parceria

Biblioteca