30ª Bienal de São Paulo | A Iminência das Poéticas

26 de October de 2012

E seguindo com nossas indicações e dicas inspiradoras para sextas-feiras mais leves, não poderíamos deixar de divulgar a Trigésima Bienal das Artes de São Paulo.

A mostra que começou no dia 7/09 e vai até 09/12, ocorre no Parque do Ibirapuera, no Pavilhão Bienal. A entrada é gratuita e segue os horários abaixo:

HORÁRIO DE VISITAÇÃO
TER, QUI, SÁB, DOM E FERIADOS
DAS 9 ÀS 19H – ENTRADA ATÉ 18H
QUA E SEX DAS 9 ÀS 22H – ENTRADA ATÉ 21H
FECHADO ÀS SEGUNDAS

O tema da Bienal, que desta vez tem o papel de levar arte para uma sociedade com pouco acesso à cultura e artes em geral, trata sobre  “A IMINÊNCIA DAS POÉTICAS”, tem curadoria de Luis Pérez-Oramas, e recebe 110 artistas, sendo 21 deles brasileiros.

Waldemar Cordeiro (Créditos:Divulgação)

“Foto do Clube Esperia” – Waldemar Cordeiro (Créditos:Divulgação)

Apesar do tema central, “A Iminência das Poéticas”, a mostra está dividida em cinco outros temas: Reverso, Sobrevivências, Alterformas, Derivas e Vozes. Outros pontos da cidade estão recebendo intervenções e elementos da mostra, como é o caso da Capela do Morumbi, da Casa Modernista e da Casa do Bandeirante.

Para acompanhar a programação das ativações das obras e dos ateliês, além de outras intervenções que estão ocorrendo com o público, não deixe de curtir a página da Bienal no Facebook (https://www.facebook.com/bienalsaopaulo) ou acompanhar pelo próprio site da mostra (http://www.bienal.org.br).

“Productos Peruanos para Pensar” – Alberto Casari (Créditos: Divulgação)

Aproveite o final de semana para ir expandir seus horizontes. Arte não é apenas para quem entende ou estuda esse universo, mas sim para todos aqueles que buscam aumentar seu repertório de mundo, e abrir o olhar para coisas novas. Todos que trabalham com criatividade e inovação devem estar constantemente em contato com coisas novas e fora da sua zona de conforto. Esse é um roteiro essencial para abrir a cabeça e aumentar o seu potencial criativo. ;)

Comentários

The State of the Internet 2012

8 de October de 2012

No início do ano (mais precisamente em Maio de 2012) Mary Meeker já impressionou o público em uma palestra que realizava nos Estados Unidos com os “números da internet“.

Menos de 6 meses depois, a Business Insider publicou o material de uma palestra de Henry Blodget e Alex Cocotas, chamada The State of the Internet, que discute a evolução e tendências do comportamento das pessoas e empresas na internet. Os números, agora mais atualizados, são de cair o queixo!

Vale pegar uma caneca de café, chá ou alguns biscoitos e sentar para apreciar os dados dos 138 slides – e, quem sabe, se basear neles na sua próxima reunião. É só clicar na imagem aí de baixo pra ir direto para o estudo:

 Os assinantes do Business Insider podem baixar a apresentação inteira como um PDF ou PowerPoint.

Comentários

Inesplorato | Curadoria de Conhecimento

1 de October de 2012

Curadoria de informação ou de conhecimento é um termo que tem estado muito em moda, mas nem todo mundo sabe muito bem o que é ou como usufruir deste “serviço”.

Nós já falamos deste assunto por aqui, e adoramos esta tendência que, com certeza, é um comportamento que veio para ficar já que o excesso de informação dos tempos atuais não pára de crescer e a falta de tempo continua sendo um problema.

O dilema continua o mesmo de sempre: precisamos nos manter atualizados, mas não temos tempo de ler, ouvir, assistir, ou visitar tudo o que gostaríamos. Ainda também, muitas vezes, nem sabemos onde buscar as informações mais interessantes e relevantes. E foi pensando nesses dilemas que nasceu a Inesplorato, com o seguinte propósito definido por eles: “melhorar a forma como pessoas e empresas se relacionam com conteúdo.”

Conheci essa empresa em uma conversa com um amigo que contratou o serviço e me contou a sua experiência! Achei o máximo o que ouvi e, curiosa como sou, fui pesquisar mais sobre o serviço que eles prestam.

O que descobri foi um serviço inovador e incrível: uma caixa entregue a você com tudo o que você precisa para estar ligado nas últimas tendências… do que interessa pra você! Tudo personalizado!!!!

Esse é só um dos serviços que eles possuem e que achei muito bacana! Chamada de Curadoria Direcionada, o processo começa com um bate-papo (longo) onde os curadores vão te entrevistar para te conhecer mais e, a partir daí, traçar um plano de curadoria que funciona em ciclos de 45 dias. A curadoria se tangibiliza em caixas que são entregues a você a cada ciclo. Nestas caixas estão a fonte de conhecimento direcionado às suas necessidades em forma de textos, livros, filmes, guias de passeios, revistas, entre outras possibilidades que seguem, segundo a própria Inesplorato, “uma lógica customizada a partir dos objetivos presentes e futuros de quem consumirá a caixa”. Não é o máximo?!?!

O trabalho de curadoria vai tão fundo que, se na sua caixa vem indicado um livro ou filme, vem também anotações de quais são os principais trechos e uma indicação do que se atentar naquele material, e o que ali é valioso para você. É um trabalho muito atencioso e personalizado.

Eles também possuem umas caixas já prontas (essa da foto de cima, por exemplo) com temas pré-definidos pelos curadores da casa. Tem uma, por exemplo, com o tema de empreendedorismo onde eles prometem inspirar todos aqueles que estão querendo se aventurar no início de um novo negócio, através de cases, filmes, livros. Rola também uns estudos prontos sobre comportamentos, como é o caso do estudo “Infelicidade Feminina” onde eles buscam trazer, através de pesquisas realizadas desde 2010 e atualizadas periodicamente, as aflições femininas. Para saber mais sobre as caixas e pesquisas prontas é só espiar o cardápio deles.

Vale espiar também os serviços para empresas (workshops, curadorias temáticas, entre outros).

Enfim, deu  pra perceber o quanto me empolguei, né?! Estou louca para testar! Só está faltando um tempinho ($) extra! (rs)

Mas prometo que, assim que rolar, conto a experiência completa aqui pra vocês! E quem gostou, curte e compartilha, porque ideia boa a gente espalha! :)

 

Comentários

Curando calçadas! :)

16 de September de 2012

Inovação é uma boa ideia, com toques de criatividade, que dá resultados! Essa pode ser uma definição simples mas que resume bem uma ideia inovadora.

E é assim também, simples e inovadora, a ação que um grupo de 6 publicitários e designers começou, e que tem se espalhado pelo Brasil para chamar a atenção quanto ao abandono e à falta de estrutura das calçadas brasileiras.

A ação chamada de Curativos Urbanos consiste na colagem de coloridos e divertidos curativos, feitos de EVA, em buracos de grandes vias para chamar a atenção das autoridades e, principalmente, conscientizar a população quanto à responsabilidade da manutenção das calçadas por conta dos proprietários dos imóveis (com exceção de locais de responsabilidade do governo).

 

 

O grupo já deixou sua marca no Rio de Janeiro (Botafogo e Gávea) e três vezes em São Paulo (Paulista, Pinheiros, e Centro). E a próxima cidade, pelos planos do grupo, deve ser Porto Alegre.

 

“Queremos chamar atenção para o problema de um jeito delicado e divertido”, afirma Jeniffer Heemann, uma das organizadoras da ação. E o jeito descontraído já começa na descrição da página da ação no Facebook: “Uma ação que usa cor e bom humor para despertar a atenção sobre os machucados das calçadas – que podem machucar muita gente por aí”.

 

 

Como próximos passos, o grupo estuda a criação de um aplicativo para que outras pessoas possam ajudar no mapeamento dos buracos das grandes cidades. Eles também estão estudando outros materiais para a confecção dos adesivos já que o atual modelo feito de EVA acaba tendo uma vida útil curta, sendo muitas vezes retirado pelo pessoal da limpeza das ruas.

 

 

E aí, alguma ideia pra ajudar?! Curta a página Curativos Urbanos no Facebook para acompanhar a ação e dar ideias e sugestões. :)

Comentários

Eu sou um Inovador???

14 de September de 2012

O que você faz? Como é? Ah você treina pessoas? Trabalha com criatividade, é artista? Hummm não entendi, como assim?

Se você, como nós, atua na área de inovação, certamente já ouviu um dos comentários acima, uma das grandes dificuldades que temos é explicar para  família e amigos o que realmente fazemos. Esta semana conhecemos um vídeo através de alguns amigos da Simplez e da Brightidea que dispensa comentários, assistam abaixo e tenham certeza que, de hoje em diante, todos vão entender o que você faz! ;-)

 

 

Comentários

7 dicas para viajar ao mundo do cliente

11 de September de 2012

Estou de “férias” e, como blogueira que é blogueira não tira férias mas sim viaja para ter pauta (rs), não poderia deixar de escrever algumas coisinhas sobre design research X viagens que não saem da minha cabeça nestes últimos dias, mais especificamente sobre a fase principal do processo: a imersão!

Além de estar passeando por New York (NY) e não existir país mais especializado em user experience do que os EUA, principalmente quando o assunto é encantar/envolver turistas, não me sai da cabeça o quanto viajar para um lugar novo desperta as mesmas sensações, alertas e sentimentos de quando se realiza uma imersão em campo, no mundo do usuário!!!

Há anos venho fazendo as duas coisas, explorando novos lugares em minhas viagens e novos insights no dia-a-dia de clientes dos muitos lugares em que já trabalhei, e fazendo essa comparação agora resolvi criar aqui um guia de 7 dicas análogas que, se não te ajudarem no seu dia-a-dia para inovar, espero que sirvam, ao menos, como dicas para sua próxima viagem! ;)

1- Chave de sucesso: pulando o bla,bla,bla do “tenha um bom planejamento”, começo toda viagem (e imersão, também) pesquisando e tentando descobrir a “chave de sucesso” do local! Em NY, foi decifrar o metrô: tipos de bilhetes, lógica das linhas, apps para celular com rotas e mapas, etc. Isso me garantiu não perder tempo nem dinheiro perdida por aí.  Já para sua imersão, a chave de sucesso pode ser, por exemplo, aprender uma gíria do vocabulário do seu usuário que servirá como senha mágica quando  falar com ele; ou ainda, pode ser descobrir algum hábito específico, local de maior frequência/concentração do seu público, ou pessoas-chaves na relação diária dele com o produto (quem influência ele no consumo, nas escolhas e decisões de compra).

2- Abra os olhos: quando estamos viajando nos atentamos a cada detalhe e reparamos em tudo! Conseguimos descrever em detalhes o banheiro daquela estação central… Assim é o papel de um antropólogo em campo: ele descreve tudo o que vê, sem julgamentos de valores, sem críticas (positivas ou negativas)! Em uma imersão, se atente a cada detalhe e saiba descrever todo o contexto em que seu usuário está inserido! Como dizem por aí: olhe a árvore, mas sem esquecer a floresta!

Adesivo criativo em prédio vizinho ao High Line Park.

3- Fotos, fotos, fotos: Sim, queremos registrar tudo quando viajamos! E quando voltamos, queremos mostrar 1248 fotos para amigos e família e ainda achamos ruim se eles não olham as 1248 fotos com a mesma empolgação que nós, certo?! Dica de sucesso para a viagem e para a imersão: sim, tire as 1248 fotos pois depois de algum tempo, quando você quiser resgatar algum detalhe, estas fotos serão essenciais para resgatar sua memória; mas, na hora de contar a história para outras pessoas, selecione os pontos mais marcantes, apenas as imagens que transmitam alguma mensagem, que levem a alguma conclusão, enfim que tenham um propósito de estarem ali, dessa forma você não deixa ninguém entediado e garante passar a mensagem! ;)

4- fuja das massas: sempre tento fugir dos passeios de guias de viagem, os passeios de turistas! Não quero conhecer a cidade do mesmo ponto de vista que outra pessoa pensou, quero descobrir uma cidade só minha, com lugares que eu vou poder contar e fotografar e os outros dirão “sério que isso era em NY?!? Eu já fui para lá várias vezes e nunca vi isso!”,  pois é nessa novidade, nesse olhar novo, nesse cantinho não explorado que a mágica acontece! Que você conhece as pessoas mais interessantes, compra os produtos mais legais… E assim é na imersão em campo: falar com as massas só vai te dar os mesmos insights que já estão no guia de alguém (da concorrência, com certeza!). Se você quer uma informação nova, aquela sacada que vai trazer aquele brilho especial, vá nos extremos! Fale com quem não usa seu produto e quem já deixou de usar, por exemplo. Escolha um público específico, e concentre-se nele. Mas assim como em uma viagem é quase um crime fugir dos pontos turísticos comuns, deixar de falar com a massa também pode ser, mas o faça como na viagem e vá contra o óbvio: dê um olhar diferente até ao que é mainstream! Olhe por outro ângulo e se deixe surpreender!!!

Cadeados presos na Ponte do Brooklyn. Ler cada um é um passeio fora do comum e que rende no mínimo boas fotos.

5- viva como eles: descubra um programa bem típico do local e faça como os locais! Só assim para sentir como a cidade funciona de fato. Nesta viagem, levei tão ao pé da letra que, ao invés de um hotel, me hospedei em um apartamento! O morador sai e deixa o apê pronto para te receber. Essa é a proposta (que super recomendo!) do site airbnb. Deste jeito você realmente se sente um pouco mais “morando” do que “passeando” na cidade. Na imersão é a mesma coisa: não tem nada igual, ao invés de apenas perguntar e observar, fazer o mesmo que o seu usuário faz, passar pelo mesmo processo que ele passa. Parece óbvio mas muitas pessoas nunca experimentaram o produto que vendem! Quer um exemplo? Na Whirlpool (fabricante das marcas Brastemp e Consul) os engenheiros que criavam as lavadoras de roupas sabiam perfeitamente a parte técnica e a melhor forma que uma máquina deveria funcionar para lavar melhor, mas nunca haviam lavado roupas! Em uma imersão foram desafiados a lavarem roupas nas máquinas que desenvolviam. A grande maioria não conseguiu operar 100% do processo que vai desde separar as roupas até passá-las e guardá-las; era um tal de “como mede o sabão? E o amaciante? Como colocar com esse galão?!”. Dali saíram ótimas ideias para as novas máquinas como o medidor de nível de água e sabão.

6-Momento esponja: entre um passeio e outro é sempre bom tirar umas horinhas (ou minutinhos) em um café ou parque para você parar, refletir e absorver tudo o que viu e experimentou nas últimas horas, se não acaba o dia cansado com a sensação de que não fez nada, não viu nada, quando na verdade você apenas não absorveu o que viu! Assim é em imersões de campo! Você fala com tanta gente, observa tantas coisas que, no final do dia, se não se colocar essas pausas ao longo do dia, terá a sensação de que não descobriu nada! Então a cada pessoa, atividade, ou fato observado: pare, reflita e absorva o que lhe for mais interessante antes de partir para o próximo. #ficadica: grave um vídeo resumo de 1min depois de cada imersão com suas conclusões; isso ajuda a refletir e absorver, além de manter registrado.

7-Perca-se: e por fim, saia do seu roteiro inicial! Porque sempre que escapamos do nosso roteiro somos surpreendidos pelo acaso que pode nos mostrar novos caminhos! Seja em nossas viagens ou nas pesquisas de campo, de vez em quando deixar-se levar por onde seus instintos estiverem te guiando, mesmo que isso saia do programado, traz ótimos resultados! Mas esteja preparado para ser surpreendido!

Grafite de artista brasileiro, Eduardo Kobra, que tem feito sucesso em NY. É sempre bom se perder e dar de cara com uma de suas artes!

Espero que essas sete dicas dêem um gás a mais na sua próxima imersão, se não na sua próxima viagem! Have a good trip! ;)

 

Obs: Todas as fotos deste post foram tiradas por mim, durante a viagem. Se gostar, pode usar mas não esqueça de citar a fonte.

Comentários

Entrevista com Saul Kaplan

6 de September de 2012

Saul Kaplan dá uma rápida entrevista (2min) para a consultoria Continuum falando da importância da inovação e prototipação nos dias de hoje. É muito interessante. Rápido de assistir e bom para refletir.

Saul Kaplan é autor do livro The Business Model Innovation Factory: How To Stay Relevant When The World is Changing.

 

Comentários

Kenguru – Traduzindo a necessidade do cliente

31 de August de 2012

Olá!

Estava eu estes dias acompanhando o blog do Sebrae, quando  me deparei com esta solução e não resisti em postar aqui para vocês conhecerem! Volta  e meia nós falamos aqui em metodologias e ferramentas que proporcionam uma aproximação  com o cliente para tangibilizar soluções que realmente sejam agregadoras de valor, confesso que embora as ferramentas nos auxiliem são poucas as empresas que conseguem desenvolver produtos totalmente focado na necessidade do cliente. A Kenguru foi brilhante nesta solução que aqui apresentamos!

Estamos falando de um veículo totalmente customizado para clientes cadeirantes! Trata-se do primeiro veículo elétrico projetado especificamente para ser conduzido por cadeirantes, sem necessitar sair da cadeira de rodas! O acesso é feito pela porta traseira , que se abre com uma rampa e a direção é similar ao estilo guiador utilizado nas motos.  Sim simples assim, rompendo um paradigma de acesso ao veículo, conseguiram resolver o problema enfrentado por muita gente!  Assistam o vídeo, ele vale mais que mil palavras! Adorei! ;-)

 

[youtube=http://youtu.be/OW80WMe5uTk]

 

Comentários

Um guia para avaliar a qualidade da sua ideia

30 de August de 2012

Na semana passada o pessoal do Brainstorm9 publicou um guia, chamado de Awesome or Awful, para ajudar criativos a serem mais auto críticos com suas ideias.

Na verdade, não é nada mais e nada menos do que um fluxograma com um monte de perguntas e respostas para ajudar a avaliar a qualidade da ideia em questão. Clique aqui para ver a imagem em “tamanho grandão” (rs).

Algumas coisas são um tanto radicais, mas mesmo assim, achei um máximo e precisei compartilhar! :)

Espero que gostem.

Comentários

Gamification como ferramenta motivacional

29 de August de 2012

Envolver e motivar funcionários é quase uma arte. Desde que o mundo é mundo e as empresas existem, os gestores procuram uma série de formas e métodos de fazer isso. E parece que agora a “bola da vez”é utilizar ferramentas de Gamification.

Vamos falar de duas ferramentas que vimos recentemente que promete dar uma “mãozinha” à este desafio.

My Corner Office é uma plataforma (ainda em desenvolvimento) baseada em mídia social para compartilhamento de reconhecimento, que permite que cada funcionário tenha sua própria “baia virtual”, onde ele pode participar de uma série de desafios e tarefas, enfeitar, ter acesso ao quadro de avisos da firma, livros e compartilhar os prêmios que conquistou através de suas realizações no trabalho. Métricas e funções de relatório estarão disponíveis para os gestores. Além do uso via desktops, existe suporte via dispositivos móveis.

Teamalaya é uma plataforma destinada a empresas que querem engajar os novos funcionários, antes mesmo de seu primeiro dia de trabalho. Potenciais candidatos à vagas na empresa que utilizar esse serviço, podem acompanhar as etapas de seu processo seletivo diretamente pelo site, e se forem contratados, o candidato começa a receber informações e quiz à respeito da empresa e área onde irá trabalhar. Há também uma parede mensagem permitindo que os funcionários atuais se apresentem e dêem dicas e conselhos.

Pessoalmente, eu ainda não tive a oportunidade de testar nenhum dos dois serviços e por ter trabalhado em uma grande organização, tenho minhas dúvidas se esses dois modelos vão funcionar. Mas fiquei com a pulga atrás da orelha, e acho que dá pra fazer muita coisa legal relacionando gestão e gamification. :P

Comentários
Pages:«12345678...17»

Follow Us!

Realização:

Parceria

Biblioteca