Quando um sistema de ensino muda as regras do jogo

23 de October de 2013

Há muito tempo atrás, nós viemos aqui divulgar um projeto que havia sido lançado via Catarse e no qual acreditamos de coração. Tratava-se do coletivo Educ-Ação que tinha como objetivo rodar o mundo atrás de modelos de educação com práticas inovadoras.

Ficamos tão encantadas com o projeto e com a dedicação deste grupo que até entrevistamos um dos seus queridos membros, o André Gravatá, que deu um show de simpatia, além de esbanjar sua energia para mudar o mundo. (Confira a reportagem aqui)

Agora é com muita alegria que a gente abre esse espaço para divulgar o belíssimo trabalho que resultou da energia destas pessoas: o livro Volta ao Mundo em 13 Escolas.

Em versão digital gratuita ou versão física, passível de compra, o livro aborda sistemas de ensino inovadores de 13 escolas ao redor do mundo, que estão mudando as regras do jogo. Confira no mapa abaixo as escolas visitadas:

Captura de Tela 2013-10-23 às 10.54.16

Além de contar a jornada incrível passando por cada escola, o livro é cheio de referências e dicas de livros e sites para quem quer se aprofundar em algum assunto apresentado ao longo das páginas.

Para baixar o livro gratuitamente, acesse aqui.

E, instigando um pouco mais a sua curiosidade sobre o livro (que nós já baixamos e estamos lendo com muito carinho), deixamos o trecho final da obra  e uma poesia que dão o tom do projeto.

Nas palavras de André Gravatá, publicadas no livro Volta ao Mundo em 13 Escolas:

“(…) Um dia, minha mãe me perguntou: “Filho, por que você gasta tanto tempo do seu dia nesses projetos de educação?”. A minha resposta mais sensata está na certeza de que a educação é uma ferramenta para nos reen- cantarmos com o mundo e nos reconectarmos com nós e com os outros.

Por fim, gostaria de compartilhar um poema escrito por mim ao final da jornada, com o título “A podência da educação”. Sinto que certas refle- xões são mais bem apreendidas por meio da arte. 

Educação é feita principalmente de gente
Gente é feita principalmente de abundância
Freire disse que se a educação não pode tudo
alguma coisa fundamental ela pode
E a educação pode uma podência
Que surgiu bem antes de método ou ciência

A educação tem a podência do esticamento do olhar
Para que ele se abra enorme
Do tamanho do mar

A educação tem a podência da expansão
Do cultivo de campos de diversidade
Para fertilizar os sertões
Que hoje têm nome de cidade

A educação tem a podência do desafiamento
Passa pelo encontro com nossos redemoinhos internos
Que giram, sem trégua, num movimento de bagunçação
Daquelas entranhas feitas principalmente de emoção

A educação tem a podência de instaurar
Uma catação de horizontes dentro de cada um
Para que as abundâncias sejam descobertas
Lapidadas, expostas, caleidoscopadas
Tocadas, abertas, compartilhadas

A educação tem a podência de conjugar
Um verbo sinuoso, em chamas
O verbo ousadiar
Que é verbo de significância
Verbo de propósito sem demora
Para que nos ousadiemos no agora
E no gerúndio, ousadiando
A qualquer hora.”

Print Friendly
Comentários

Related Posts

Sobre o Autor: Tatiane Carrelli

Publicitária, especialista em Inovação e Criatividade. Quebrou algumas regras na 3M, na Whirlpool, e no Banco Itaú. Então decidiu quebrar regras por aí e criou a Take a Tip, consultoria da qual é sócia hoje. No meio do caminho descobriu uma vocação (Professora na ESPM), um hobby (aprendiz de fotógrafa) e um esporte (Rodrigo Pessoa, que se cuide!).

Leave a comment

Follow Us!

Realização:

Parceria

Biblioteca